segunda-feira, 30 de abril de 2018

O ACESSO ÀS INFORMAÇÕES E AOS DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS AUTÊNTICOS E FONTE DE PROVA NAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS | Daniel Flores - Academia.edu

O ACESSO ÀS INFORMAÇÕES E AOS DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS AUTÊNTICOS E FONTE DE PROVA NAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS



Prof. Dr. Daniel Flores

Professor do Departamento de Documentação da UFSM, Pesquisador PQ2 do CNPq, Membro da Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos - CTDE do CONARQ - Conselho Nacional de Arquivos, Líder do Grupo de Pesquisa CNPq UFSM Ged/A - Documentos Arquivísticos Digitais, e-mail: danielflores@ufsm.br 

Publicada na Revista Estilo Editorial da UFSM
Fonte: https://issuu.com/editoraufsm/docs/revista_estilo_editorial_edicao_3
Edição n° 3, Aniversário de 35 anos, Outubro de 2016
ISSN 2359-4713
Research Interests: 

terça-feira, 17 de abril de 2018

TJPE promove curso de Gestão de Documentos em Ambiente Digital - Notícias TJPE - TJPE

TJPE promove curso de Gestão de Documentos em Ambiente Digital - Notícias TJPE - TJPE:


Estudantes em frente a computadores, aprendendo a digitalizar processos
Atividade foi realizad através de parceria entre TJPE, IFPE, UFPB e UFSM
A segurança e o armazenamento de documentos em meio eletrônico foram temas do curso “Gestão de Documentos em Ambiente Digital”, promovido pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), por meio do Memorial da Justiça e da Escola Judicial (Esmape). Servidores do Judiciário estadual e integrantes do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Tangram Cultural participaram da formação realizada na primeira semana de abril. O objetivo foi trazer um novo referencial do arquivo digital, de acordo com as normas e requisitos estabelecidos pela resolução 43/2015, do Conselho Nacional de Arquivos.
Profissionais do grupo de pesquisa Gestão Eletrônica de Documentos Arquivísticos (Ged/A), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), os professores Daniel Flores e Sérgio Rodrigues apresentaram o funcionamento de softwares que gerenciam os repositórios digitais. Esses conjuntos são bases de dados online que armazenam de maneira segura e organizada a produção e o acervo de uma instituição.
Para o professor Daniel Flores, a produção do processo judicial eletrônico deve ser realizada dentro de uma cadeia de gestão que possibilite o recolhimento posterior para um ambiente seguro de preservação. Para isso, são utilizados programas que atendem a normas internacionais de segurança. “As normas devem ser adotadas por cada instituição, utilizando-se de diversos modelos de ferramentas disponíveis atualmente. Ela pode se utilizar de um software livre, utilizando um sistema especializado de tecnologia da informação, ou mesmo contratando um sistema de software pago por meio de licitação, por exemplo. O próprio Tribunal vai decidir os meios utilizados, tudo com base na legislação”, explicou.
O servidor Marcelo Lima, do Núcleo de Segurança da Informação da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Setic), explica que o processo de arquivamento nos moldes legais vem sendo implantado no TJPE. “Hoje o Tribunal já possui um ambiente com as ferramentas que estão sendo apresentadas aqui no curso, disponíveis para o Memorial da Justiça, com possibilidade de realizar o arquivamento dos documentos dentro dos critérios de segurança. Estamos nos capacitando para que a Setic tenha condições de prestar um suporte mais específico em relação sistema”, declarou.
.....................................................................................................................
Texto: Amanda Machado | Ascom TJPE
Foto: Antônio Santos | Ascom TJPE

segunda-feira, 9 de abril de 2018

10 coisas que eu não aprendi nos Cursos de Arquivologia, por Sara Allain:

Letters to a Young Librarian: 10 Things I Didn't Learn in Archives School, by Sa...:





10 coisas que eu não aprendi nos Cursos de Arquivologia, por Sara Allain:

1. Papercuts are a job hazard.
And they really, really hurt. And at least once I got blood on the archival material.

2. It can be lonely.
Archival work can be solitary. I don't mean the kind of loneliness that comes from hanging out in a basement vault all day, though that’s part of it. Being physically alone is one thing, but perhaps more difficult was feeling like I was the only one who cared. It was hard to keep the value to future researchers in mind when no one seemed to care about the collection right now. Developing a supportive network of archivist pals (on twitter, for example!) really helped.

3. You have to talk to people.
A lot of people. I didn't get into archival studies because I thought I'd get to be a hermit, but I wasn't prepared for the amount of talking I'd need to do. Even working in a closed university archive without a reading room, I talked to my colleagues and my manager, of course, but also our chief librarian, the head of special collections, and the dean on a regular basis, not to mention the recruitment department, the student newspaper, and the committee in charge of planning anniversary celebrations for the institution. I lost whole days of processing work (on a deadline!) because I had to handhold an administrator through finding appropriately diverse historical photos of celebrations past.

4. You become an obsessive about your piles.
When I worked as a processing (arrangement & description) archivist, I became a neat freak. I've never been a particularly tidy person, but I would be in the middle of sorting a collection of letters when suddenly I realized it was 5pm and I needed to go home. I'd have a conference room-sized table covered in discrete piles of ephemera, peppered with little folded notes to my colleagues: PLEASE DO NOT TOUCH. IF YOU NEED THIS TABLE, PLEASE LET ME KNOW. PLEASE, PLEASE DO NOT TOUCH MY BEAUTIFUL PILES OF STUFF.

5. You don't have to like all of it...
I learned about archiving as a holistic endeavour - arrangement, description, appraisal, conservation, and access as many aspects of one job. In large or well-resourced institutions, this is patently untrue, of course - there are departments for acquisition, appraisal, and description, with staff members who rarely cross over into other areas. Lots of workplaces, though, are small enough that everyone wears multiple hats. I was, for a time, the only archivist, so I got to wear all the hats. It was during this time that I realized a core truth about myself: I hate writing descriptions. Recognizing and being honest about the parts of the job that appealed to me and the parts that didn't gave me a chance to grow as an archivist in productive ways, and it opened a lot of doors to the world outside of our tiny profession.

6. ... and you don't have to live it.
Being an archivist is a job. Fobazi Ettarh's “Vocational Awe and Librarianship: the Lies We Tell Ourselves” applies to archivists too. Some people live their work, at the workplace and outside it, and that's great if it works for them. But I’m not a lesser archivist because I prefer to have a solid work/personal life divide.

7. You have to justify your work.
In my first job as an archivist, I had to have one particular discussion over and over again: why did the archival collections need specific description software? I ran out of ways to say, "Because archival data is different than [library/digital humanities/scholcomm] data" in a way that made a lasting impact. It was frustrating, and it taught me a sobering truth: my colleagues who weren't archivists didn't know much about archives. I learned to be patient. I learned to repeat myself. I learned to stick to my belief that our collections deserved to be properly resourced. And I learned to do it with a smile on my face… most of the time.

8. You can do something else.
The archival world is small, and we're all competing for jobs, and there isn't enough work for the number of archivists who are graduating every year. I lucked into a good job as an archivist, but soon realized that the day-to-day work of a lone arranger just wasn’t for me. I was able to convert my diverse experience into a totally different kind of library job (communications!), and then moved right out of archives altogether and into software development. Look around and you'll find that lots of professions are looking for smart, passionate stuff-organizers.

9. No one has the answers.
Email, social media, digital preservation - we're still figuring it out. I regularly feel lost when it comes to these topics, but I’ve realized over time that it's okay to feel lost because we're all lost, as a profession. It's easy to focus on the small majority of people and institutions that are making headway - they're the folks who present at conferences and write papers and tweet about their amazing work. They’re wonderful! They're truly doing some exceptional work. But it's also okay to be the person who is doing the little things. You want to be ahead of the game on digital preservation? Make sure that your content isn't stored on a hard-drive and you'll be doing more than many. As we continue to push the boundaries of what archiving comprises in the 21st Century, it's okay to take an inch rather than a mile. Positive incremental change can be as powerful as the big leaps.

10. There's this moment.
I've talked to a lot of archivists about The Moment: the first time you realized that you were, as an archivist, responsible for something magnificent. My moment was holding a field book that was owned by Frank Urquhart who, along with his wife Norah and local Mexican guides, discovered where monarch butterflies migrate in winter. It wasn't the most exciting piece of archival content I'd handled, but it had a deep resonance for me, a kid who loved bugs and nature documentaries and was fascinated by the story of monarch butterflies migrating to Mexico. Holding that field guide, I felt connected to the Urquharts, to scientific discovery, to something outside my archive. That moment is the one I think about when I'm downtrodden about lack of funding or bad policy. It's a moment that will always stick with me. And it’s a moment I’ve taken with me, even as I walked away from a traditional archivist role, as a reminder that my work has enduring meaning.


Sara Allain still calls herself an archivist and librarian, even though she decamped from the profession to work for a company that makes free and open source archival software. Spending her days frolicking through METS-XML files, format policies, and the vagaries of the software development lifecycle, she's never been happier. She's on twitter at @archivalistic.

domingo, 1 de abril de 2018

Archivemática: Instrumento para a Preservação de Documentos Digitais RDC-Arq - Repositório Arquivístico Digital Confiável Resolução nº 43/2015 - Conarq - Conselho Nacional de Arquivos Modelo OAIS - Open Archival Information System - Norma ISO 14721 Norma Brasileira ABNT NBR 15472 - Modelo SAAI Ministrante: Prof. Dr. Daniel Flores (UFSM)







Archivemática: Instrumento para a Preservação de Documentos Digitais
RDC-Arq - Repositório Arquivístico Digital Confiável
Resolução nº 43/2015 - Conarq - Conselho Nacional de Arquivos
Modelo OAIS - Open Archival Information System - Norma ISO 14721
Norma Brasileira ABNT NBR 15472 - Modelo SAAI
Ministrante: Prof. Dr. Daniel Flores (UFSM)

quinta-feira, 29 de março de 2018

Curso de AtoM (ICA-AtoM) e Archivematica (RDC-Arq) de 2 a 5 de abril de 2018 em Recife - PE e o I Fórum de Preservação Digital no dia 6 de abril, este último ainda com vagas disponíveis para a comunidade em geral:

Curso de AtoM (ICA-AtoM) e Archivematica (RDC-Arq) de 2 a 5 de abril de 2018 em Recife - PE e o I Fórum de Preservação Digital no dia 6 de abril, este último ainda com vagas disponíveis para a comunidade em geral:
==============================

Evento é promovido pelo TJPE, através do Memorial da Justiça e da Esmape, pelo Ged/A e pelo IFPE
O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), por meio do Memorial da Justiça, promove o I Fórum de Preservação Digital, na sexta-feira (6/4). O evento será realizado no Auditório Desembargador Nildo Nery dos Santos, da Escola Judicial (Esmape), localizada na Ilha Joana Bezerra, no Recife. O fórum tem o objetivo de possibilitar o intercâmbio de ideias sobre os sistemas de gerenciamento eletrônico e as estratégias para preservação dos documentos digitais, de modo a garantir o acesso às gerações futuras.
Realizado pelo TJPE – Memorial – Esmape em parceria com o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) e o Grupo de Pesquisa CNPq-UFSM Ged/A: Gestão Eletrônica de Documentos Arquivísticos, a atividade é aberta ao público em geral, e as inscrições já podem ser realizadas através do endereço eletrônico memorial.educativo@tjpe.jus.br. Elas serão efetivadas após a Comissão Organizadora do evento confirmar por e-mail. Servidores do TJPE podem se inscrever pela Intranet. Para os do IFPE, as inscrições são realizadas em formulário disponível no site da instituição.
A programação conta com a participação de professores especialistas. Entre eles, Daniel Flores, responsável pela palestra “Os sistemas de gerenciamento eletrônico e a preservação digital”; e Sérgio Rodrigues, com o tema “RDC-Arq como ambiente de preservação e acesso de documentos e informações”. Ambos são integrantes do Grupo de Pesquisa CNPq-UFSM Ged/A e também oferecem curso sobre preservação digital e uso dos sistemas AtoM e Archivematica para servidores do TJ e do IF de 2 a 5 de abril. Os gestores de Tecnologia da Informação das instituições parceiras do evento, Maurício Brainer Júnior (TJPE) e Marco Antônio Eugênio Araújo (IFPE), participam das mesas redondas. Confira a programação completa AQUI.
Preservação – Em Janeiro de 2018, o Judiciário estadual disponibilizou o Memorial Digital | TJPE, um projeto de pesquisa para preservação e difusão do conteúdo do patrimônio histórico documental do Memorial da Justiça de Pernambuco. Na primeira etapa, estão disponíveis, por meio de inventário online, imagem e conteúdo de 500 processos judiciais criminais do período imperial brasileiro, entre os anos de 1822 e 1889.
..............................................................................................................
Texto: Marília Ferreira – Francisco Shimada | Ascom TJPE
Ilustração: Publicidade e Design | Ascom TJPE

quarta-feira, 28 de março de 2018

Notícia - ​Professor de Arquivologia da UFSM é convidado para ministrar conferência no México - UFSM

​Professor de Arquivologia da UFSM é convidado para ministrar conferência no México

28/03/2018 15:16

Classificada em: Geral
Fonte: http://site.ufsm.br/noticias/exibir/professor-de-arquivologia-da-ufsm-e-convidado-para


O professor Daniel Flores, do Departamento de Documentação da UFSM, foi convidado para ministrar a conferência de abertura da 17ª edição das Jornadas Archivísticas, que são promovidas pela Universidad Autónoma de Baja California, do México. O evento acontece de 6 a 8 de junho na cidade de Tijuana. A conferência em questão tem como título "Archivos: una visión de la gestión electrónica". O convite é um reconhecimento às pesquisas sobre documentos digitais e preservação digital desenvolvidas na UFSM.

domingo, 25 de março de 2018

I Fórum de Preservação Digital - Recife - PE - 06/04/2018


I Fórum de Preservação Digital
Dia 06/04/18
Inscrições abertas no link: http://www.ifpe.edu.br/noticias/inscricoes-abertas-para-forum-de-preservacao-digital

PROGRAMAÇÃO
MANHÃ
8h Credenciamento 
8h30 Abertura
8h45 Mesa redonda 1: Os sistemas de gerenciamento eletrônico e a preservação digital: questões e desafios
Palestrante: Prof. Dr. Daniel Flores (UFSM e Grupo de Pesquisa CNPq-UFSM Ged/A)
Presidente da Mesa: Maurício Brainer Júnior (Secretário Adjunto de Tecnologia da Informação e Comunicação do TJPE) 
Debatedores: Prof. Dr. Marcos Galindo Lima (PPGCI/UFPE e LIBER); Prof. Ms. Marcelo Ferreira de Lima (TJPE)
10h20 - debate 
12h - intervalo para o almoço
TARDE
13h30 Mesa redonda 2: RDC-Arq como ambiente de preservação e acesso de documentos e informações
Palestrante: Prof. Dndo. Sérgio Rodrigues (Grupo de Pesquisa CNPq-UFSM Ged/A)
Presidente da Mesa: Prof. Marco Antônio Eugênio Araújo (Diretor de Tecnologia da Informação do IFPE)
Debatedores: Profa. Dra. Sandra de Albuquerque Siebra (PPGCI/UFPE); Ms. Lino Madureira Ferreira (FUNDAJ)
15h10 – debate